Mapa Cor-de-Rosa

A corrida Africana

No século XIX os países europeus viram-se para África em busca de matérias-primas para as suas indústrias, o que veio a motivar disputas entre eles. Assim organizam-se várias expedições no interior desse continente com o objectivo de garantir o direito sobre esses territórios.

Portugal, à imagem de outros países, organiza várias expedições sob o comando de Silva Porto (1853-1856), Serpa Pinto (1877-1879) e Capelo e Ivens (1977-1879 e 1884-1885) (ver o mapa 1.).

 

(clica no mapa para aumentar)

 

A conferência de Berlim

A colisão entre os interesses imperialistas de vários países europeus, nomeadamente da Inglaterra, Alemanha, França, Bélgica e Portugal levou à reunião de uma conferência, em Berlim, onde foram estabelecidos os princípios básicos para a partilha do continente africano.

Portugal esteve representado por uma delegação com vários especialistas em assuntos africanos. Dessa delegação faziam parte António de Serpa Pimentel, Luciano Cordeiro, Carlos Roma du Bocage e o embaixador português em Berlim.

Defendia-se o mapa cor-de-rosa, isto é a soberania sobre os territórios desde Angola a Moçambique (mapa 1). Porém os interesses nacionais colidiam com os interesses de um outro país europeu, a Inglaterra. Os britânicos defendiam os territórios desde a cidade do Cairo (actual Egipto) até à cidade do Cabo (actual África do Sul).

Esta colisão de interesses conduzira ao ultimatum inglês de 1890 e, no fim, à cedência dos territórios aos ingleses.

 

 

Mapa 1 - Mapa cor-de-rosa

(clica na imagem para aumentar)